ESTIMULAÇÃO PRECOCE

ESTIMULAÇÃO PRECOCE
 Destina-se ao atendimento de crianças a partir de 0 ano de idade, com alguma deficiência ou atraso neuropsicomotor, com vistas ao seu desenvolvimento e crescimento harmonioso.
--------------------------

Semana de Reflexões e Capacitação promovida para os Profissionais da APAE de Itaperuna RJ. Apresentação da Equipe da Estimulação Precoce da Instituição. 
Fevereiro de 2014.


























Reunião de Pais ou Responsáveis da Estimulação Precoce com o Presidente da APAE de Itaperuna RJ, Rubens de Carvalho quando o representante da Instituição apresentou aos devidos pais propostas de mais avanços nos Atendimentos oferecidos a Clientela do citado setor.
 Dezembro 2013











Atendimentos a algumas crianças do Setor de Estimulação Precoce da APAE de Itaperuna, nas áreas de Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, Fisioterapia, Psicologia, Dentista e Nutrição.















Setor de Psicologia e Serviço Social da Estimulação Precoce em Reunião Psicossocial para os Pais dos Clientes da APAE de Itaperuna RJ. Outubro 2013











Reunião do Presidente, Diretora da Escola e Equipe Técnica com os Pais de Clientes do Setor de Estimulação Precoce da APAE de Itaperuna RJ, na ocasião o Presidente apresentou avanços  e aquisições que irão enriquecer ainda mais o trabalho que já é realizado com essa clientela na Instituição.













Setor de Psicologia e Serviço Social em Reunião para os Pais dos Clientes do Setor de Estimulação Precoce da APAE de Itaperuna RJ . Setembro 2013















Atendimentos a algumas crianças do Setor de Estimulação Precoce da APAE de Itaperuna, nas áreas de Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, Fisioterapia, Psicologia, Nutrição e Serviço Social. 
Agosto 2013


















Atendimentos a algumas crianças 
do Setor de Estimulação Precoce da APAE de Itaperuna, nas áreas de Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, Fisioterapia, Psicologia e Nutrição.  















Como lidar com atitudes agressivas de bebês?

Katiuska Grana Ferreira, que pesquisou a interação social entre bebês para seu mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e ela explica que reações como bater, empurrar e morder são típicas da primeira infância - mas não há a intenção de agredir. Os pequenos estão apenas mostrando descontentamento ou desejo. Seu papel como educadora, Graziela, é contribuir para que eles aprendam outras formas de expressão. Nos conflitos, ajude-os a reconhecer os sentimentos, utilizando uma linguagem descritiva e não recriminatória: "Você está bravo porque ele pegou a bola, mas bater dói. Não pode bater". 

Organize a rotina para que relações mais harmoniosas ocorram. As disputas são menores quando há mais opções de objetos ou quando os bebês são divididos em pequenos grupos, alternando os membros periodicamente. Estudos indicam ainda que os conflitos diminuem quando os pequenos brincam em espaços mais amplos e com materiais grandes, como caixas, pneus, bacias e bolas.


ESTIMULAÇÃO PRECOCE


A estimulação precoce é um atendimento especializado direcionado a bebês e crianças de 0 a 3 anos com risco ou atraso no desenvolvimento global (prematuros de risco, síndromes genéticas, deficiências, paralisia cerebral e outras) e a suas famílias, atuando na prevenção de problemas do desenvolvimento global. Este atendimento é de fundamental importância, pois possibilita dar suporte ao bebê no seu processo inicial de intercâmbio com o meio, considerando os aspectos motores, cognitivos, psíquicos e sociais de seu desenvolvimento, bem como auxiliar seus pais no exercício das funções parentais, fortalecendo os vínculos familiares.

Esta modalidade de atendimento se baseia sobretudo no trabalho interdisciplinar. Pensamos que a intervenção clínica com um bebê deverá estar centrada em um terapeuta de referência especializado em estimulação precoce, apoiado por uma equipe interdisciplinar, que através da interação com a criança e com a família possibilitará um desenvolvimento saudável da tríade pais-bebê.


O tratamento de estimulação precoce é possível devido a grande plasticidade neuronal nos primeiros três anos de vida.  Ele modifica todo o curso do desenvolvimento do indivíduo, formando as bases para um desenvolvimento harmônico.  No caso da Síndrome de Down, por causa da deficiência intelectual, o trabalho do psicólogo nestas equipes é de grande importância, pois a estimulação cognitiva deve começar tão cedo quanto a motora e o trabalho sobre os vínculos pais-bebê também nos dão um bom prognóstico do desenvolvimento do sujeito.

Nos trabalhos de estimulação precoce, dê preferência aos que os profissionais trabalhem de maneira conjunta com o bebê ou criança e nunca deixe o seu filho apenas sobre a “responsabilidade” de uma só área do conhecimento, pois os terapeutas como todos nós têm pontos cegos e tendem a privilegiar a sua disciplina em detrimento das outras, vendo o bebê ou criança, dentro de um recorte referente a sua área de conhecimento. É muito importante também que os pais participem deste processo. Existem várias maneiras de trazer os pais para a terapia do bebê, mesmo quando a rotina de trabalho deixa-lhes o tempo mais restrito. A participação dos pais é fundamental não apenas em função das orientações que costumam receber dos terapeutas, mas também para que se possa observar os padrões interativos entre eles e o bebê/criança.  Nos casos necessários as intervenções no vínculo são feitas por psicólogos especializados que podem trabalhar junto da equipe de estimulação precoce desde muito cedo e dispensam muito trabalho em psicoterapia e transtornos na aprendizagem no futuro.

::Por Fernanda Travassos-Rodriguez



PASSEIO NO TRENZINHO COM OS ALUNOS